Descubra agora mesmo como se tornar um engenheiro estrutural referência no mercado
Área tem boas oportunidades, mas profissional precisa estar atualizado; especialização em Engenharia Estrutural é diferencial

Construção Civil está retomando seu crescimento. As inovações, o surgimento de novas ferramentas computacionais, materiais e softwares otimizam o trabalho e prometem impulsionar o setor nos próximos anos. O mercado passa por reformulações com a adoção das tecnologias e o aparecimento de novas demandas, como a sustentabilidade, abrindo espaço para um futuro promissor. 


O ciclo de avanços e modernizações requer profissionais preparados para lidar, aplicar e aproveitar as novidades, além de cumprir com as expectativas do mercado. O desenvolvimento de projetos estruturais, por exemplo, foi revolucionado com a implantação do modelo BIM (Bulding Information Modeling) e o uso do TQS. Para se destacar no mercado, dominar este recurso já não é mais um diferencial para o profissional desta área, mas essencial. 


Por isso, o engenheiro de estruturas, parte crucial do processo de construção, teve que se adaptar e preparar para acompanhar as mudanças. Por se tratar de uma etapa fundamental para todo o ciclo de vida de uma obra, a Engenharia Estrutural incorpora essas novidades para aperfeiçoar ainda mais os projetos. Se a estrutura fosse um corpo humano, o arquiteto ficaria encarregado da forma e aparência, enquanto o engenheiro ficaria por conta do esqueleto e dos tendões.


Tamanha importância, é essencial que os profissionais responsáveis pela estrutura sejam bem preparados. Mas como se especializar para ser um engenheiro estrutural? Muitos acreditam que basta ter à disposição um bom software, mas o recurso tecnológico sozinho não é a chave para um bom trabalho. Quem opera o software é uma pessoa, que precisa ter certas competências, alinhadas com a responsabilidade do cargo e com o que o mercado e a construção exigem. 


Entenda como se preparar para ser um engenheiro de estruturas referência no mercado: 



Desenvolvimento


A construção civil enfrentou períodos de crise econômica, com a retração do mercado e desemprego no setor.  Pouco a pouco, o segmento retomou o crescimento e apostou em ferramentas tecnológicas e inovações que auxiliam e otimizam cada vez mais os projetos. 


Os recursos tecnológicos têm sido importantes aliados do desenvolvimento da construção. Grande parte dos aparatos auxilia a parte estrutural dos projetos, otimiza o tempo gasto e permite que o fluxo de trabalho tenha mais rapidez. Este desenvolvimento amplia possibilidade na área estrutural, em um cenário cada vez mais positivo. 




No entanto, o profissional que deseja ingressar neste segmento precisa estar ciente de que são diversas responsabilidades atribuídas às funções de um engenheiro de estruturas. Ele deve atender algumas demandas e superar desafios contínuos, buscando o aprendizado constante. Confira quais são:



Desafios 


Por se tratar de uma parte tão primordial de um projeto, criar a estrutura de uma obra implica em alguns desafios que precisam ser enfrentados na rotina da profissão. O engenheiro estrutural precisa estar ciente desses desafios e trabalhar de forma orientada a superá-los. 



1. Responsabilidade


A estrutura é fundamental. Se ela apresenta falhas, pode resultar em impactos gigantescos e até mesmo acidentes. Portanto, o engenheiro estrutural também lida com vidas humanas, e deve garantir a integridade delas. Ele deve resguardar as vidas de quem circula por essas estruturas, e lidar com responsabilidades e valores que não são quantificáveis nem tangíveis.


2. Atendimento a requisitos de sustentabilidade


Com a preocupação com a sustentabilidade e o meio ambiente crescendo exponencialmente, o engenheiro estrutural também deve buscar seguir os requisitos de proteção ambiental necessários. Tentar diminuir a poluição resultante da obra, usar materiais menos agressivos ao meio ambiente e projetar estruturas que possam ser mantidas de modo econômico no que tange à energia são boas práticas neste sentido. 


3. Atualização constante


engenheiro estrutural precisa estar atualizado e preparado para utilizar as ferramentas tecnológicas. O BIM, por exemplo, foi adotado na maioria das obras. Uma das grandes vantagens da ferramenta é que todas as informações estão interligadas de forma lógica no computador. As características físicas da construção são representadas na sua geometria, e as demais informações funcionais são agregadas a essa edificação.

 

É um grande avanço para projetistas estruturais, mas saber operá-lo já não é um diferencial. Se um engenheiro é requisitado para fazer o projeto estrutural de uma obra que utilize o BIM, por exemplo, ele terá que fazer o projeto utilizando a ferramenta, uma vez que ela requer que todas as etapas sejam interligadas e adicionadas. 


Outro software muito utilizado, é o TQS, destinado à elaboração de projetos estruturais de edificações de concreto armado. O profissional precisa dominar e acompanhar suas mudanças, por se tratar de uma ferramenta crucial para a construção e utilizada em diversos empreendimentos. 


Ele precisa se reinventar, compreender novos materiais e tecnologias. Deve ser capaz de trabalhar com projetos em 2d, 7d, utilizar ligas diferentes, concretos com materiais novos e manter um padrão de inovação. Neste guia completo sobre Engenharia Civil da Joby, é possível descobrir algumas das principais tendências no setor de construção.



Demandas


Além dos desafios e responsabilidade que lhe competem, o engenheiro estrutural precisa também atender algumas demandas, e seu destaque no mercado depende da boa execução destes requisitos: 


1. Qualidade e conforto

 

Além de garantir a integridade física das pessoas que utilizam as obras, o engenheiro estrutural deve considerar ainda demandas sobre os projetos que visem a qualidade e o conforto. Quando o profissional projeta uma ponte, por exemplo, deve considerar que aquela estrutura é um dispositivo público de mobilidade urbana cujo bom comportamento interfere na vida das pessoas e na mobilidade de uma região ou até de uma cidade inteira. 


2. Economia


O profissional também deve estar preparado para lidar com restrições orçamentárias. Portanto, deve buscar sempre aliar a qualidade dos projetos com a necessidade de economia para seus clientes. 



Onde trabalhar?


Engenharia de Estruturas é uma das engenharias mais básicas, que dá suporte a todas as outras. Se pensarmos nos mais diferentes produtos de engenharia, todos eles precisam passar por um engenheiro estrutural. Residências, prédios, fábricas, galpões, hangares, aeroportos, pontes, estruturas de geração de energia, todas essas precisam ser corretamente dimensionadas e detalhadas. 


E esse é o papel do engenheiro de estruturas: garantir a estabilidade, segurança, e durabilidade para todas as estruturas. Então, ele atua em todas as áreas, uma vez que todas as estruturas precisam ser projetadas, corretamente dimensionadas, detalhadas e devidamente equilibradas, calculando as ações e resistências dos diferentes materiais usados, como concreto, aço, madeira, ligas, produtos formados por polímeros, para dar suporte aos mais diferentes empreedimentos. 


Empreendimentos da engenharia civil, engenharia mecânica, engenharia naval, engenharia aeronáutica, ou qualquer outra engenharia que utilize cálculo estrutural podem ser áreas de atuação do engenheiro de estrutural. 



Oportunidades


O engenheiro de estruturas enfrenta a competitividade do mercado, mas também tem ligação direta com o empreendedorismo. O profissional capacitado pode abrir o seu próprio escritório de projetos, trabalhando sozinho ou com outros projetistas. Além de consolidar o nome no mercado, se torna também um empreendedor. 


Quando atua em empresas, pode ser projetista e posteriormente liderar equipes e projetos, conforme vai ganhando experiência. Buscar ter uma atuação mais ampla e experiência de rodagem por diferentes segmentos refletem no crescimento profissional para coordenar equipes de projeto.


Competências 


Os softwares e ferramentas utilizadas no trabalho são importantes para o bom andamento de projetos, mas como já foi dito anteriormente, não são os únicos requisito para o sucesso. Por trás das tecnologias, há um profissional que as opera. É crucial que ele tenha, além do conhecimento técnico, certas competências que vão determinar e guiar os caminhos trilhados dentro da profissão. Confira algumas dessas características abaixo:



  • Criatividade: mais do que dominar as ciências exatas e as tecnologias que a envolvem, o engenheiro de estruturas precisa exercitar também a criatividade. O processo de projeto é um processo criativo, uma vez que é literalmente a criação de uma estrutura. Portanto, uma das competências mais importantes é a de alinhar a criatividade com a lógica, a habilidade de olhar a estrutura e identificar onde ela vai ser mais eficiente, eficaz e segura. 

  • Trabalho em equipe: a estrutura é o esqueleto de um projeto, que ainda precisa receber diversas outras etapas. Portanto, o engenheiro de estruturas vai lidar com outros profissionais envolvidos na obra, e deve ser capaz de alinhar o seu trabalho ao projeto em sua totalidade, desenvolvendo a capacidade de trabalhar em equipe.

  • Liderança: essa competência é crucial para profissionais que desejam estar à frente de projetos, ou empresas. A estrutura é parte crucial do projeto, e portanto, deve ser orientada, guiada e liderada por -profissionais capacitados, aptos a liderar uma equipe no sentido do melhor andamento possível dos processos. 

  • Inovação: o mercado implica em constantes evoluções e modificações na forma com que projetos são feitos. Por isso, o profissional deve seguir um perfil de inovação e aprendizado constante para se manter em consonância com o mercado e as oportunidades que surgirem. 


Tendências


O segmento da construção busca acompanhar as mudanças do mundo. EM um contexto que preza cada vez mais pela agilidade,  é um mercado que busca estar em constante inovação para otimizar o tempo, recursos e objetivos, e se reinventar diante de cenários de crise. 


Uma forte tendência na Engenharia Estrutural é o uso de softwares cada vez mais modernos, desenvolvendo projetos do 3D ao 7D. Algumas tecnologias, inclusive, já passaram a ser objeto de legislação: diversas empresas já condicionam que para alguns entes públicos, a contratação precisa ser feita em BIM. Portanto, o mercado vai exigir a constante atualização profissional para acompanhar as tendências.



Pós-graduação


A importância da capacitação profissional para atuar no segmento Engenharia de Estruturas já ficou clara: trata-se de uma das partes mais cruciais de qualquer projeto. Por isso, especializações e pós-graduações em engenharia estrutural são boas opções. O mercado possui diversas possibilidades e trajetórias possíveis, e o desenvolvimento das competências e conhecimentos específicos são essenciais. 


Cursos alinhados com o papel que as transformações exercem nas profissões são ideais. Você pode conferir o nosso curso de pós-graduação em Engenharia de Estruturas, que segue a metodologia de Educação 4.0. Trata-se de um método que utiliza recursos tecnológicos para potencializar os estudos, por meio da internet, mídias sociais, inteligência artificial, realidade virtual, entre outros. Os benefícios das ferramentas digitais são combinadas ainda com a metodologia ativa, em que, mais do que simplesmente absorver o conteúdo, o aluno aprende por meio da prática, desenvolvendo projetos e experiências.  


Neste curso, o profissional vai ter acesso a módulos que vão de encontro a expectativa de mercado e as tendências tecnológicas, focando na empregabilidade e aproximando o profissional ao mercado de trabalho e atuação profissional mais competente possível. O profissional estará capacitado para atuar com recursos computacionais e tecnologia, apto a operar o TQS e o BIM.


Por fim, é fácil entender: a profissão do futuro passa por inovações constantes, e requer  um profissional capacitado, alinhado com este pensamento! Mais do que uso de recursos tecnológicos, o engenheiro estrutural referência no mercado desenvolve competências primordiais ao desenvolvimento profissional. 


Compartilhar


BIM: Você está ficando para trás se não souber o que é e como utilizá-lo
Novo conceito de trabalho já é realidade nos mercados de Engenharia, Arquitetura e Construção